Atletas do Supino do Brasil
>>Translate Page<<
Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 43 em Sex Dez 15, 2017 8:31 am
Servidor de Imagens
PARA ACESSAR CLIQUE NO ÍCONE ACIMA
Últimos assuntos
» Campeonato Sul Americano 2018 - Camboriú – SC (08 de dezembro de 2018)
Qui Nov 29, 2018 2:03 pm por Alisson

» COPA MUTANTE IFBB MS 2018 - Bonito/MS (23 e 24 de novembro)
Sab Nov 03, 2018 4:07 pm por Alisson

» 64º Mister Santos - Santos/SP - (01 de dezembro de 2018)
Sab Nov 03, 2018 3:44 pm por Alisson

» Campeonato Mr. Cabo Frio de Fisiculturismo e Fitness - Cabo Frio - RJ (10 de novembro de 2018)
Sab Nov 03, 2018 3:31 pm por Alisson

» 3ª COPA CAPIXABA DE BODYBUILDING E FITNESS - Espírito Santo (10 de Novembro de 2018)
Sab Nov 03, 2018 2:32 pm por Alisson

» Minuto com Deus!
Seg Out 22, 2018 9:13 am por pitersigma

» Conjuntivite
Seg Out 22, 2018 9:11 am por pitersigma

» respiracao e seus efeitos nos treinos
Ter Set 25, 2018 10:09 am por pitersigma

» Pedro Almeida
Seg Set 17, 2018 11:11 am por pitersigma

» Dona de casa campeã de Supino e Levantamento Terra
Sex Ago 03, 2018 6:01 am por pitersigma

» Parabéns ao fórum novo recorde.
Qua Jul 25, 2018 8:08 pm por pitersigma

» 1º CAMPEONATO DE SUPINO DA ACADEMIA PRIME SHAP - Curitiba/PR (21 de julho de 2018)
Sab Jul 21, 2018 8:30 pm por pitersigma

» Saudações Supino Brasil
Qua Jul 18, 2018 12:25 pm por pitersigma

» Abacate contribui para saúde do seu coração
Qua Jul 18, 2018 12:23 pm por pitersigma

» Invente uma frase bonita para o fórum.
Qua Jul 18, 2018 12:22 pm por pitersigma

» 1º CAMPEONATO DE SUPINO E LEG PRESS DA ACADEMIA OBJETIVO TREINO - Centro/Mogi Guaçú (21 de julho de 2017)
Qua Jul 18, 2018 10:38 am por Alisson

» 17° Campeonato Brasileiro de Supino e Levantamento Terra. São Carlos-SP (21 de julho de 2018)
Qua Jul 18, 2018 10:32 am por Alisson

» Entidades de caminhoneiros são alvo de investigação
Dom Jul 15, 2018 7:06 am por pitersigma

» (Cancelado) 42º Campeonato Brasileiro de Supino Raw e Equipado - Florianópolis/SC - (26 e 27 de maio de 2018)
Dom Jul 15, 2018 5:08 am por pitersigma

» 1º trans a participar de um campeonato de fisiculturismo no Brasil
Qui Jul 05, 2018 6:29 pm por Alisson

» A greve dos caminhoneiros trouxe algum benefício ao povo Brasileiro? (votem e poste seu comentário abaixo, se assim desejar)
Sex Jun 01, 2018 4:55 am por pitersigma

» Governo pressiona PF por prisões para acabar paralisação
Ter Maio 29, 2018 8:12 am por Alisson

» Temer convoca exercito em pronunciamento
Sex Maio 25, 2018 4:23 pm por Alisson

» Confederação Brasileira de Levantamentos Básicos - Calendário 2018
Seg Maio 21, 2018 7:44 pm por pitersigma

» Primeiro campeonato de supino reto e leg press 45º - Póa/SP - 28 e 29 de Abril de 2018
Dom Maio 13, 2018 9:21 pm por Alisson

» Feliz dia das mães
Dom Maio 13, 2018 8:17 am por pitersigma

» Emporio Ferracine Produtos Naturais
Dom Abr 29, 2018 7:13 pm por Administrador

» VI Campeonato Fitness e Supino Raw DNA Fitness Academia - Itapecirica/MG - 30 de Junho de 2018
Ter Abr 10, 2018 10:15 am por Alisson

» Acompanhamento do meu treino em casa
Dom Mar 18, 2018 6:07 am por pitersigma

» Os segredos do Supino técnicas e treinos.
Dom Mar 18, 2018 6:05 am por pitersigma

Parceiros

 Receitas Saudáveis


Sos eletrônica neves





Vestes sacerdotais (parte I) e Vestes sacerdotais (parte II)

Ir em baixo

Vestes sacerdotais (parte I) e Vestes sacerdotais (parte II)

Mensagem por Paulo Cezar em Qui Dez 12, 2013 3:04 pm

http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br/2013/04/vestes-sacerdotais-parte-i.html

Livres dos Fardos Religiosos


Os sacerdotes de diversas religiões eram considerados pessoas especiais no meio da sociedade. Eram tidos como mediadores entre as pessoas e os deuses. Por causa disso, muitos se vestiam de forma diferente. [1]

Vestes sacerdotais são as roupas usadas pelos sacerdotes em suas cerimônias, incluindo todos os paramentos ou adornos. [2]  São também conhecidas como vestes litúrgicas, vestes clericais ou vestes sagradas. [3], [4]

Na história religiosa dos hebreus, podemos ver a presença de vários sacerdotes, além do sumo sacerdote. De acordo com as instruções dadas por Moisés, eles foram vestidos com peças de roupas especiais, cheias de decorações e muito significativas. Em Êxodo 28:1-43, encontramos as diversas instruções sobre tais vestimentas, que proporcionavam dignidade e beleza ou glória e ornamento. [5]. Mais adiante, Êxodo 39:1-31 mostra que tudo foi feito de acordo com as instruções. [6]. E Levítico 8:5-9 e 13 mostra Moisés colocando essas roupas em Arão e em seus filhos, consagrando-os como os sacerdotes de Israel. [7] Essas vestimentas foram feitas com muitos detalhes decorativos. Os materiais usados foram: pano azul, púrpura, carmesim, linho fino, ouro e pedras preciosas.




Quais eram as peças?

1.     Calções. Eram feitos de linho. Tinham pernas e cobriam da cintura até as coxas.

2.     Túnica. Era uma roupa parecida com uma camisola, feita de linho fino, para ser usada sobre os calções.

3.     Manto do éfode ou sobrepeliz. Era uma roupa para ser colocada sobre a túnica, tecida inteiramente de fios de lã azul. Em volta de toda barra, em forma de franja, havia decorações em forma de romãs e sininhos de ouro, colocados alternadamente.

4.     Éfode ou estola sacerdotal. Era uma espécie de manto, produzido com linho fino, bordado, enfeitado com ouro para colocado sobre o manto do éfode ou sobrepeliz.

5.     Peitoral. Era uma bolsa quadrada de mais ou menos um palmo de comprimento e largura, confeccionada com ouro, azul, púrpura, carmesim e de linho fino torcido, para ser colocado por cima do éfode, na altura do peito. Nessa bolsa, do lado de fora, foram pregadas 12 pedras preciosas: sárdio, topázio, esmeralda; turquesa, safira, diamante; jacinto, ágata, ametista; berilo, ônix e jaspe. Dentro dessa bolsa, ficavam duas pedras, chamadas Urim e Tumim, usadas para fazer consultas ao Senhor.

6.     Cinto ou faixa. Era tecida com linho azul, púrpura e escarlate entrelaçado com linhas douradas para ser amarrado na cintura, sobre o éfode.

7.     Turbante ou tiara. Era feito de linho fino. O turbante do sumo sacerdote, também chamado de mitra, era mais incrementado. Nele ficava presa uma placa, onde estava escrito: “Santidade ao SENHOR”. [8]

O sumo sacerdote se destacava entre o povo e entre os sacerdotes com todos esses paramentos. (Êxodo 28.1-4.) [9] Os sacerdotes também se destacavam entre o povo, mas muito pouco. Eles usavam apenas calções, túnica, cinto e um turbante mais simples na cabeça. (Êxodo 28.40-42.) [10]

Quando Jesus veio anunciando o seu evangelho, ele criticou a atitudes dos escribas e dos fariseus que gostavam de se destacar entre o povo e aproveitou para dizer que entre os seus discípulos ninguém seria maior que o outro. (Mateus 23.1-12.) [11] O versículo 5 diz, se referindo a eles: “E fazem todas as obras a fim de serem vistos pelos homens, pois trazem largos filactérios, e alargam as franjas das suas vestes.” Jesus não usou roupa especial e não mandou nenhum de seus discípulos usar nenhuma roupa diferente.

Já disse noutras mensagens e não posso deixar de repetir, pois é importante. Conforme o evangelho de Jesus, hoje não precisamos mais ter sacerdotes humanos para interceder por nós junto a Deus, pois Jesus, de certa forma, se tornou o nosso eterno sumo sacerdote. (Hebreus 4.14-15 e Hebreus 5.5-6.) [12] E todos nós somos sacerdotes com ele. (I Pedro 2.5 e 9; Apocalipse 1.6 e 5.10.) [13] Sendo assim, não precisamos de roupas especiais, pois ninguém, além de Jesus, é sumo sacerdote. E se todos somos sacerdotes, então ninguém precisa se vestir diferente de ninguém, no sentido religioso. Por isso entre os primeiros cristãos não vemos ninguém com vestes diferentes, como se fossem sacerdotes entre o povo. Nem mesmo Pedro, que muitos julgam ser o primeiro papa, se vestia de outra forma.

·       No primeiro século, como já vimos noutra mensagem, os anciões (também chamados de bispos ou presbíteros) não passavam de pessoas com o dom e a maturidade para apascentarem a igreja. Não eram pessoas diferentes acima do povo, mas estavam no meio das pessoas. [14] Certamente não se vestiam de forma diferente dos demais cristãos. Não vemos, no Novo Testamento, nenhuma instrução nesse sentido. Mas com o tempo, as vestes litúrgicas foram surgindo sob as influencias da cultura greco-romana. [15]

·       A partir do início do século II, o bispo começou a ganhar destaque e começou a ser tratado como sacerdote. [16]

·       No século II, o teólogo Justino, educado na filosofia neoplatônica, se vestia com uma capa de filósofo. [17]



·       No final do século II, Clemente de Alexandria achava que o clero deveria vestir roupa diferente das pessoas comuns. Mas ela deveria ser “simples” e “branca”. Ele, que era profundamente instruído na filosofia neoplatônica, talvez tenha sido influenciado pelo que dissera o filósofo Platão: “a cor branca era a cor dos deuses”. [18]

·       No século IV, a coisa mudou completamente. Os bispos, sob as influências do Império Romano, por causa do grande apoio concedido pelo imperador Constantino, foram tratados com as mesmas honras que eram concedidas aos oficiais romanos. [19] Influenciados pela idéia de serem autoridades semelhantes às autoridades romanas, arrumaram roupas religiosas semelhantes às roupas dos oficiais romanos. A estola e o pálio teria surgido nessa época. [20] “Os cerimoniais pontificais e as vestes litúrgicas passaram a ser uma adaptação daqueles utilizados na corte imperial.” [21]  São Jerônimo teria dito que a religião tinha um vestido para o serviço sagrada e outro para as coisas ordinárias. [22]

·       Ainda nessa época, um documento falava do bispo na hora da preparação para a missa dizendo: “Deixe o sumo sacerdote, portanto, juntamente com os sacerdotes, rezar por ele mesmo, e deixar que ele vista a sua veste brilhante...”  (Constituições Apostólicas, Livro VIII, XII.) [23], [24].

·       A partir do século IV, os povos bárbaros foram invadindo o Império Romano do Ocidente, e as roupas das pessoas que eram uma espécie de batina, foram mudadas para a túnica curta dos godos. O clero entendeu que aquela nova moda não ficaria bem para eles e continuaram usando as batinas romanas. Por isso, ao longo dos séculos, se tornou comum os padres, mesmo fora dos cultos litúrgicos, usar batinas em casa e nas ruas, no dia a dia, diferenciando-se das demais pessoas.[25]

·       Do século IV ao século IX, surgiram várias outras peças de roupas litúrgicas. [26]

·       No século V, o papa Celestino I, escrevendo aos bispos da Gália, disse que os eclesiásticos deviam ser diferentes do povo pela doutrina, pela conduta e pela pureza de espírito e não pela veste, pelo hábito ou ornamento. [27] Falou bonito, mas não adiantou.

·       A partir do século VII, com a crença de que eram sacerdotes, porque a liturgia havia se transformado numa espécie de sacrifício, as suas roupas começaram a ser identificadas com os paramentos dos sacerdotes do Antigo Testamento. [28] Foi mais um passo para a judaização do evangelho.




·       No século XIII, os paramentos já eram cerca de 17 peças. [29] Foram usados novos tecidos, vestes bordadas e bem ornamentadas. [30] Assim surgiram as seguintes paramentos usados no catolicismo romano: batina, alva, estola, túnica, amito, sobrepeliz, casula ou planeta, pluvial, capa magna, mozeta, luvas, barrete, manípulo, mantelete, roquete, dalmática e cíngulo (cordão). [31], [32] Para os bispos e o papa ainda encontramos, o pálio, o solidéu, a mitra, o báculo (cajado com ponta curva), a férula papal (cajado com cruz na ponta) o anel e a cruz peitoral. [33], [34], [35] Antes havia sandálias, botinas e meias. [36], [37] O bastão, a mitra (barrete frígio) e o anel  parecem ser influencias do mitraísmo, a antiga religião romana que predominava em todo o Império Romano antes da oficialização do cristianismo. [38] As insignias do Pai, o sete grau de iniciação dessa religião, eram esses elementos. [39]   O solidéu também é de origem pagã. Foi usado da adoração do deus sol na Babilônia e também fazia parte da religião de Mitra, a divindade solar do mitraismo. Embora possa significar somente Deus em latim, alguns afirmam que o termo solidéu é a junção das palavras soli + deo e que significa deus sol em latim. Observando o famoso mural de Mitra no Vaticano, realmente vemos a inscrição “Soli Invicto Deo” (deus sol invencível). [40], [41]

Algumas peças das vestes sacerdotais, dependendo da época do ano, variam de cores como: vermelho, verde, roxo, branco dourado, rosa, azul e preto: cada uma com um significado diferente. [42], [43], [44] A batina do papa é branca, dos cardeais é escarlate, dos bispos é avermelhada, e dos outros membros do clero, preta. [45] Algumas peças são decoradas com símbolos como: cachos de trigo, cachos de uvas, cálices, cruzes, siglas como IHS, (significa, em latim: Iesus Hominium Salvator) diversos bordados, etc. [46]

Outro costume introduzido na igreja foram as orações predefinidas para serem rezadas em voz baixa, enquanto se veste os paramentos litúrgicos. O sacerdote coloca o amito rezando. Coloca a alva e faz outra oração. Cinge-se com o cíngulo e reza mais uma vez. A estola, e reza de novo. A casula, mais oração. [47]


Continuaremos no próximo post.


Última edição por Paulo Cezar em Qui Dez 12, 2013 6:48 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Paulo Cezar
mod
mod

Mensagens : 2783
Data de inscrição : 06/09/2012
Idade : 53
Localização : Anchieta Es

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Vestes sacerdotais (parte I) e Vestes sacerdotais (parte II)

Mensagem por betonatal em Qui Dez 12, 2013 4:22 pm

Acompanhando . curtir 
avatar
betonatal
mod
mod

Mensagens : 2585
Data de inscrição : 19/07/2012
Idade : 57
Localização : Natal RN

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Vestes sacerdotais (parte II)

Mensagem por Paulo Cezar em Qui Dez 12, 2013 6:53 pm

http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br/2013/04/vestes-sacerdotais-parte-ii.html


Vestes sacerdotais (parte II)
Continuação do post anterior.

Livres dos Fardos Religiosos.


Será que apenas os líderes católicos usam roupas diferentes? Não! Apesar das mudanças, pastores, bispos, presbíteros ou padres de outras igrejas também seguem o costume de usar vestes diferenciadas do povo.

·       No século XI, em 1054, a igreja oriental (conhecida como Igreja Ortodoxa) se separou da igreja ocidental (Igreja Católica). [1] Mas continuou usando as diversas vestes litúrgicas. [2]

Vestes e paramentos litúrgicos da Igreja Ortodoxa.

·       Do diácono: estichárion, orárion, epimaníkias.
·       Do sacerdote: estichárion, epitrachílion, epimaníkias, zone, felônion.
·       Do bispo: estichárion, epitrachílion, epimaníkias, zone, sakkos, homofórion, hipogonation, coroa, cruz, medalha de Jesus Cristo (eucópion), medalha da Mãe de Deus (Panaghia) e báculo, além de um tapete com a figura de uma água. [3]

·       No século XVI, aconteceu a Reforma protestante, mas apesar das mudanças, as igrejas protestantes continuaram com as vestes litúrgicas. A igreja luterana aboliu várias peças, mas manteve outras como a sobrepeliz, a alva, a casula, etc. [4], [5], [6] Na igreja Anglicana, não foi diferente. [7], [8], [9]





·       No século XVII, os calvinistas puritanos rejeitaram muita coisa do catolicismo, incluindo as roupas. Para eles, o clero deveria usar toga preta, como os docentes e magistrados, dando a entender que são professores das Sagradas Escrituras. Por isso, a toga é usada em várias igrejas protestantes e ainda lembram as roupas dos magistrados romanos. [10], [11] O puritanismo descartou as roupas tradicionais romanas, mas colocou outra que continuou dando uma posição de honra aos líderes.

·       No século XIX, surgiu, na Igreja Presbiteriana, na Escócia, a camisa clerical, com colarinho circular, para substituir a tradicional batina. Em muitas igrejas protestantes e evangélicas, ela é usada. [12] Alguns acham que ela foi inventada pelos anglicanos ou católicos. [13]

·       No século XVIII, depois da Revolução Industrial, trajes da corte francesa foram transformados nos ternos atuais (paletós, calças, coletes e gravatas). E os burgueses (os donos dos negócios) se tornaram os donos do mundo. Esses passaram a usar esses trajes caros e elegantes. [14], [15] Nesse mesmo século, o título de pastor ganhou destaque entre protestantes e evangélicos. [16] Mas o pastor continuou como líder primaz e único sobre a congregação. Muitos deixaram os paramentos tradicionais, mas ainda, com resquícios romanos de que são autoridades de destaque entre o povo, entraram na onda, e resolveram usar paletó e gravata, como se fossem burgueses ou pessoas de destaque entre o povo.

·       No século XX, no Concílio Vaticano II, a Igreja Católica também adotou o uso da camisa de colarinho circular. Ela acabou se popularizando também nas igrejas Anglicana, Luterana, Metodista, dentre outras. [17] Tornou-se uma forma do líder religioso ser destacado entre o povo.




·       Em pleno século XXI, alguns líderes de igrejas ainda insistem em ser diferentes. Alguns inventaram novos paramentos que se tornaram uma espécie de marca registrada. Um gosta de se apresentar com um lenço vermelho amarrado ao pescoço. [18] Outro usa chapéu. [19] Já vi muitos pastores usando jalecos brancos. [20] Outros estão usando túnicas alvas.  Estava observando um que usava uma túnica azul com uma grande cruz no peito.

Os pastores de terno e gravata lembram as autoridades desse mundo. Parecem executivos, presidentes de empresas. Aliás, muitas igrejas são verdadeiramente empresas disfarçadas de igrejas. Ainda não conseguiram descer de vez do pedestal que Jesus jamais construiu para os seus seguidores. Muitos ainda estão presos nessa onda, como se o púlpito fosse uma passarela de moda francesa chique. Não é de admirar que muitos fazem dos cultos públicos um lugar para ostentar suas roupas de grife, suas jóias e calçados sofisticados, além do “carrão” exibido no estacionamento. Fazem isso porque o exibicionismo sempre esteve presente na cabeça de seus líderes. Seguem o exemplo de seus mestres, mandando a humildade, a informalidade e a simplicidade do evangelho puro para lato de lixo dos ateliês das alta-costuras.

Como podemos ver, tudo isso tem se tornado um peso para os líderes religiosos. Por isso Jesus não criou nada disso. Todo mundo é livre para vestir o que quiser, mas todos precisam entender que Jesus não tem, como parece, nenhuma ligação com tais vestuários. Todos esses trajes colocam as pessoas longe do verdadeiro homem simples que andava pela Galiléia, pregando humildade e simplicidade. Distanciam a igreja dos humildes pescadores do lago de Tiberíades. Jesus disse para os seus discípulos: “Quem tiver duas túnicas dê uma a quem não tem nenhuma.” (Lucas 3:11, NTLH.) [21] Mas muitos querem ter guarda-roupas cheio de paramentos caros. E não se preocupam com quem está nu.

Vamos nos livrar de todo esse embaraço. Precisamos de novas vestes, mas vestes espirituais. Chega de roupas glorificantes. O ancião (presbítero, bispo, pastor) seja lá qual for o nome que quiser dar, não é nenhum sumo sacerdote para vestir roupas diferentes dos outros. É apenas mais um irmão com um dom diferente, porque na igreja todos somos corpo, mas cada um é uma parte diferente desse corpo, que chamamos de igreja. Aqui na terra, no corpo de Cristo, a igreja, tem muitos ministérios, mas cabeça, só Jesus. E nem ele usou roupas diferentes. Não foi com Jesus e os apóstolos primitivos que aprenderam a usar roupas diferentes, mas com as tradições romanas e burguesas. Eu fico com as idéias do Jesus simples da Galiléia.

Autor: Maralvestos Tovesmar. Este texto (não o site inteiro) está disponível nos termos da licença CC BY-NC-ND. Pode ser copiado e distribuído, informando o autor e o link seguinte, mas não pode ser modificado e nem comercializado. Data: 2013. Veja outras mensagens em http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br


http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br/2013/04/vestes-sacerdotais-parte-ii.html
avatar
Paulo Cezar
mod
mod

Mensagens : 2783
Data de inscrição : 06/09/2012
Idade : 53
Localização : Anchieta Es

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Vestes sacerdotais (parte I) e Vestes sacerdotais (parte II)

Mensagem por betonatal em Qui Dez 12, 2013 7:21 pm

Acompanhando e a aguardando embasamento em textos Bíblicos , pois é lá [na Bíblia] que temos que tirar nossas comclusões e não em textos [particulares ] .
avatar
betonatal
mod
mod

Mensagens : 2585
Data de inscrição : 19/07/2012
Idade : 57
Localização : Natal RN

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Vestes sacerdotais (parte I) e Vestes sacerdotais (parte II)

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum